• Lilian Quatrocchi

Você tem fome do quê?



VOCÊ TEM FOME DO QUÊ?


Escutei essa pergunta esses dias e fiquei refletindo sobre o quanto ela é fundamental para nossa vida.


A fome que eu tenho é o que faz toda a diferença. Se eu tenho fome de vencer, de seguir em frente aprendendo, fome de prosperidade, fome de abundância, fome de fazer e de transformar, eu sigo olhando sempre em frente em busca do meu alimento, daquilo que vai me saciar. No entanto, percebo que quando eu encontro meu alimento, me sacio por um tempo, às vezes bem pouco tempo e, logo, sinto fome novamente. Já parou para pensar que nossa fome mental se parece muito com a fome que vem do nosso estômago?


Nosso estômago se contrai e dói quando tem fome e é assim que nos informa que precisa de alimento. Mas eu também já percebi que se essa dor é ignorada, ela parece que passa. No entanto, a consequência do não alimento, fica. A consequência é um corpo fraco e doente.


Percebo que acontece a mesma coisa com a nossa mente. Uma mente faminta pede por alimento. Alimentando nossa mente conseguimos subir a régua da nossa vida e então vamos evoluindo. Nessa jornada, sinto que não quero o mesmo alimento todos os dias. Aquele que me saciou ontem já não me basta mais.... Aquilo que eu aprendi ontem não é mais suficiente.... Sigo nessa jornada: me alimentando e saciando minha fome, sigo em busca de sabores diferentes, descobrindo minhas novas fomes, meus novos alimentos, sigo descobrindo a mim mesma, me desconstruindo e me construindo novamente.


Mas eu também percebo que quando ignoro a fome da minha mente, eu estaciono, sofrendo as consequências sem perceber qual a real causa e, muitas vezes, sem nem perceber as próprias consequências.


Corpo e mente realmente funcionam de forma integral e única.


Acredito que estamos aqui nesta vida para aprender com nossas experiências. Quem está num processo consciente de transformação pode começar a perceber claramente que a vida vai nos apresentando níveis diferentes de desafios, assim como níveis de videogame: aprendeu como joga essa fase? Passou? Ahaha, agora vem a próxima, onde, além de você ter que manter o aprendizado que teve até a fase anterior, vai precisar aprender novas habilidades e aumentar as competências para vencer mais um nível.... Cada próximo nível da sua vida vai exigir uma versão diferente de você! Vai exigir um alimento diferente para sua mente.


Para quem está em processo de transformação não existe Zona de Conforto! A transformação consciente implica em sentir o incômodo quando não se alimenta a mente nos momentos em que ela tem fome. O incômodo, que acredito existir para todos, não passa para aqueles que estão neste processo consciente de expansão e evolução.


O que aprendemos quando saímos da zona de conforto depende do quanto estamos abertos e atentos para receber toda nova experiência que a vida nos apresenta.


Algumas coisas nos atrapalham nesta jornada. Nossos medos, nossa falta de autoconfiança, nossas crenças e tantas outras coisas acabam forçando nossa consciência a ficar naquilo que parece ser nossa zona de conforto. Será que essa zona de conforto não seria esse período que paramos de sentir a dor da fome e estamos tendo consequências sem percebê-las?


Não ter claro a minha meta, a minha fome, faz com que eu acabe deixando a vida me levar.

Não ter consciência sobre minha própria autoconfiança, não saber do que e se eu sou capaz, não ter claro quais são minhas forças e as ameaças ao meu redor, me atrapalham, me boicotam e fazem com que eu acabe deixando a vida me levar.

Não organizar meu tempo ou não ter disciplina, fará com que eu procrastine e então, fará com que eu acabe deixando a vida me levar.

Não limitar meu tempo de sofrimento alimentando minhas frustrações, valorizando meus erros e desgraças, fará com que eu acabe deixando a vida me levar.


Não estou dizendo que não podemos lamentar, reclamar, chorar, sofrer, etc. Claro que podemos. Mas costumo dizer que o tempo para este processo deve ser limitado. Chore por apenas 5 minutos. Reclame em apenas uma frase. E então, reconheça, nomeie e compreenda cada sentimento. Busque ajuda profissional neste processo se achar necessário. Reestabeleça suas metas, seus focos, e siga pela busca daquilo que te alimenta para seguir na jornada da evolução. Na jornada de ser hoje melhor que ontem e amanhã melhor que hoje.


Quando você precisa tomar uma decisão de mudança de vida, definir por uma nova estratégia, o que você olha? Você olha para aquilo que você tem ou para aquilo que você não tem? Você olha para o tempo que você tem ou para o tempo que você não tem para realizar o que precisa? Você olha para as competências que você tem ou olha para as que você não tem? Você olha para os ingredientes que você tem para preparar uma boa refeição e se saciar no dia de hoje ou fica passando vontade?


Qualquer que seja o problema, o conflito, o desafio, a saída para o melhor caminho está dentro de nós. É dentro da nossa mente que encontramos as respostas e que desenvolvemos os melhores caminhos. Dentro de nós está o nosso auto amor. Dentro de nós está a nossa força de vida.






- Você tem fome do quê?









32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo