• Felipe Futada

Empatia, Compaixão e Burnout

Atualizado: Mai 5



Burnout, palavra da vez. Queimar até a exaustão. O ser humano, espécie que se aperfeiçoou nas possibilidades da contradição, vive o dilema entre os extremos de nunca sentir a chama da vida ou exaurir-se em autocombustão.


Se antes esse fenômeno de esgotamento físico e mental podia ser percebido principalmente em profissões de alta carga de stress, hoje esse leque se ampliou e estatisticamente mais e mais pessoas vêm relatando sintomas associados ao burnout.


Estudos no campo da ciência contemplativa, especificamente nos temas da empatia e compaixão, concordam a respeito de dois processos relacionados ao burnout. O primeiro seria no tocante a uma das causas desse esgotamento que ocorre através da via da conexão empática com o sofrimento alheio, um fenômeno por um lado positivo e desejável, mas que a médio e longo prazo pode gerar consequências negativas a depender do manejo dessa conexão. Sentimentos de culpa, pena, impotência e em casos extremos até desespero gerados pelo estabelecimento de uma conexão empática mas que não oferece possibilidades de ação. Sentimentos que predominam quando não ocorre uma transmutação mínima e extremamente necessária da qualidade da resposta, que passa pela via das habilidades da compaixão. Essas habilidades quando treinadas e fortalecidas, por exemplo através de algumas práticas contemplativas, abrem mais possibilidades de ação, diminuindo o sofrimento e a sensação de esgotamento.


Um segundo processo observado nas pesquisas relacionadas ao burnout, é a possibilidade do surgimento de sensações de aversão e afastamento. Como se num extremo oposto à fusão como sofrimento sem perspectiva de saída, surgisse uma recusa deliberada em testemunhar a realidade e o sofrimento alheio.


À medida em que somos cada vez mais expostos à “hipernotificação” e “hipernoticiação” da vida, essa resposta de desligamento parece cada vez mais atrativa. Queremos desligar os problemas puxando o fio da tomada do mundo.


O mecanismo político percebeu esse fenômeno, e nos últimos tempos temos observado ainda mais a estratégia de aplicação de um bombardeamento de notícias catastróficas ou altamente polemizadoras no intuito de levar, e manter, o cidadão comum ao limiar da atenção e tensão. Estamos testemunhando a utilização de agentes estressores contínuos como ferramenta política. O desligamento da vida por burnout torna-se cada vez mais uma estratégia aplicada, sobretudo por governos que têm, por exemplo, a retirada de direitos e a exploração desenfreada do meio ambiente como premissas, uma vez que pessoas que não se importam com nada são mais facilmente manipuláveis. Passamos do estado de obsolescência programada das coisas para o estado de obsolescência programada das pessoas.


Pois bem, quando nosso computador começa a apresentar problemas de funcionamento, antes de puxar o fio da tomada podemos tomar algumas atitudes menos drásticas. Por exemplo, fechar algumas abas abertas desnecessariamente, identificar o problema, limpar a sujeira. Podemos, enfim, gerar espaço. O mesmo se dá no processo de burnout.


Tão importante quanto fortalecer habilidades para lidar com o sofrimento sem se fundir com os problemas, é identificar quais de fato são os que estão ao seu alcance para resolução imediata ou a médio prazo. E existe uma enorme diferença entre essa identificação e o desligamento geral da tomada. A liberação de espaço nos nossos discos rígidos da mente permite movimento e clareza. Clareza possibilita discernimento para identificarmos e evitarmos situações que nos coloquem em estado de esgotamento.


Temos a escolha de apagar a chama da vela antes que ela se consuma até o seu fim, para que tenhamos uma boa noite de sono, e para que no dia seguinte ainda nos reste vela.



15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo